domingo, 5 de abril de 2009

Reiterando pedido de proteção

Excelentíssimo Senhor Doutor Presidente da CIDH/OEA


Com Copia a Diversas autoridades Brasileiras , FrontlineDefenders, Embaixada Italiana, lrwc e CNBB ( Don Dimas de Lara Barbosa), Excelentíssimo Presidentes das OAB, Corregedoria do Excelso MPF e Membros do MPF



MC- 244/07


Daniel Ponte, MÉDICO, Professor Universitário e Defensor de Direitos Humanos, Diplomado DEFENSOR Pelo ESTADO Equatoriano, Perseguido Político Pelo Corrupto Estado Brasileiro, Já qualificado no Processo em Epigrafe vem mui respeitosamente apresentar Nova Prova da corrupção dominante na Policia do Rio de Janeiro/Brasil e Perseguição Política que sofre, bem como o risco iminente de morte do Peticionário e de sua Genitora Idosa.

1- Conforme a Revista Reportagem do Maior Jornal do Estado Brasileiro “O Globo”, a Prostituição infantil já é comandada pelo Trafico com o Aval da Policia Corrupta .


2- Até o Diretor da Policia Federal ( acusado de Torturar uma Empregada domestica ) e o Corregedor da Policia Federal aparecem na Revista da Policia do Rio de Janeiro financiada pelo crime de Prostituição. Deve Ser destacado que foram esses agentes do Estado Brasileiro que retiraram a escolta policial do Peticionário Determinada Pelo Excelso MPF;

3- Por Fim, cabe ser registrado que o Peticionário vai ser executado, até pela inércia desta excelsa comissão, mas QUANTO MAIS FOR AMEAÇADO PARA CALAR A VERDADE, MAIS BUSCARA A CORRUPÇAO DA POLICIA E A DENUNCIARA, SENDO REALMENTE A ÚNICA FORMA DE CALAR O PETICIONARIO, A SUA EXECUÇAO. Pois o mesmo não suporta mais viver sob ameaça e em semi- cárcere ( Voluntario ) por ser honesto.

Dos Pedidos:

1- Que o Estado Brasileiro indenize o peticionário em 500.000,00 Dólares Americanos, visando reconstruir a vida em outro Pais, acrescido de pensionamento mensal Vitalício de 10.000,00 USD, corrigido pelo índice de inflação ao consumidor americano anualmente;

2- Que O Estado Brasileiro Arque com todo o tratamento médico do peticionário no exterior ( liminarmente);

3- Que todos os processos do peticionário passe para competência da Justiça Federal;

4- Que haja conhecimento do Processo e formação de processo Principal pela corte internacional;

5- Que o Pensionamento seja concedido Liminarmente, com adiantamento de 50.000,00 USD, para que haja saída imediata do Brasil , haja o grave risco de morte , e que o tratamento médico do peticionário seja inteiramente custeado pelo Estado Brasileiro no Exterior;

6- Que o Peticionario, haja vista, ser perseguido pela inteligência da policia ( órgão usado na Ditadura ), SEJA DECLARADO PERSEGUIDO POLITICO PELO GOVERNO BRASILEIRO;

7- Que em caso de morte,mesmo “ Acidental “ ( a inteligência usa esses métodos ) o Sr. Gilberto Ribeiro e o Inspetor Luigui Luizetti sejam julgados por uma coorte internacional, como possíveis mandantes ou executores da morte , e desde já julgados como torturadores Psicologicos;

8- Que o Presidente LUIZ INACIO LULA DA SILVA,em caso de morte do Peticionario Seja Julgado por uma Coorte internacional, haja vista o mesmo ter tido ciência de todos os fatos e não ter feito nada para impedir a perseguição politica e morte, sendo no Minimo autor por Omissão;

9- Que O Estado Brasileiro Explique Como os fatos do Registro de Ocorrencia Policial da 10 DP de Numero 010-04745/2003 Foram Colocados Nos Processos Pelo Chefe de Policia Civil GILBERTO RIBEIRO como se do Peticionário fosse, em ato de grosseira e INEQUIVOCO CRIME DE FRAUDE PROCESSUAL no Processo JFRJ 2007.51.01.811300-3 e TJRJ 2007.001.147237-9 , ficando de Forma espantosa, o Excelso Ministério Publico Federal-RJ e o Judiciário Federal INERTES, mesmos provocados com petições, e o CHEFE DE POLICIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-BRASIL, GILBERTO RIBEIRO IMPUNE;

10- Que o Estado Brasileiro Explique como Negou a esta Excelsa Comissão a Invasão e ameaça aos alunos da Universidade Estacio de Sá, e o Sr. Chefe de Policia Gilberto Ribeiro Juntou nos Autos do Processo TJRJ 2007.001.147237-9, Relatório da “ Inteligência “ da Policia com o Plano de invasão e filmagem do peticionário já licenciado Por Médicos Federais ? (Ver. Doc. 1 - CINPOL-PCERJ);

11- Que o Estado Brasileiro Explique como as maiores autoridades da Policia Federal e Estaduais do Rio de janeiro aparecem em Revista da Policia Financiada por organizações Criminosas e que Permitem o Funcionamento Criminoso das Seguintes casas de Prostituição ( que Praticam Sonegação de impostos e contribuições Federais, Burlam as Leis Trabalhistas, Violam os Direitos Humanos das Prostitutas, Tem Ligações Com Trafico de Drogas e Mulheres , Pedofilia ) , deve ser destacado ainda que durante audiência na Câmara dos Deputados, o Peticionário Solicitou apoio do Delegado de Policia Federal FELIPE SEIXAS, para fechar essas criminosas casas, e o Mesmo NEGOU ( Epoca que Valdinho Caetano Era Superintendente da PF no RJ ) !!!!!!!


Termas localizada na zona sul do Rio de Janeiro RJ, bairro Jardim Botânico, na rua J.J. Seabra, número 21. Telefone: (21) 2274-2741 / (21) 2294-6599. Casa de massagem com garotas de programa de alto nível. Entrada para a termas: 60 reais / Acompanhante: 130 reais / Cabine: 60 reais. (disponível em: http://www.solarium.com.br/)

Termas no centro do rj, na rua do Rosário, número 65, telefone para contato: (21) 2203-1338. Casa de massagem ótimo para realizar fantasias. 305 reais inclui entrada + suíte + programa de 1 hora. ( disponível em: http://www.termas65.com.br.net/)

Termas do rj, situado na rua Buenos Aires, número 44, no centro da cidade, telefone: (21) 2253-1099. Casa de Massagem com bastante vaiedade. Entrada: Grátis ( até 15hrs) / Depois: 40 reais / Programas: 180 (disponível em: reais. http://www.4x4.com.br.net/)

Centaurus ::
Termas na rua Canning, número 44, em Ipanema, zona sul - rj, telefone: (21) 2267-5941. Casa de massagem com lindas acompanhantes. Preço com escort girl, 40 minutos em cabine simples: 380 reais. (disponível em: http://www.centaurus.com.br/)


L'uomo Club ::
Termas situada na zona sul do Rio de Janeiro RJ, Copacabana, rua siqueira campos, 143/2º piso - shopping center Copacabana, telefone: (21) 2549-4113. Casa de massagem com lindas garotas de programa, muito gostosas e na maioria fazem de tudo. (Disponível em: http://www.luomo.com.br/)


Monte Carlo ::
Termas na rua Hilário de Gouvêa, número 19, na zona sul, Copacabana - RJ, Telefone: (21) 2255-4489. Casa de massagem de muito bom gosto. Entrada para a termas: 60 reais / Acompanhante: 130 reais / Cabine: 60 reais. (Disponível em: http://www.termasmontecarlo.com.br/)
( NA RUA DA 12 DP, PODE IR A PÉ )

Âncora do Recreio::
Termas na zona oeste, Recreio dos Bandeirantes, Avenida das Américas, número 13.081 Km 14, Rio de Janeiro RJ, Telefone: (21) 3326-3334 / 2497-5958. Ótima casa de massagem na zone oeste da cidade maravilhosa. Entrada: 20 reais e 130 reais o programas de 40 minutos. (Disponível em: http://www.ancoradorecreio.com.br/)


Club Cancun ::
Termas no centro da cidade maravilhosa, RJ, rua do carmo, número 64, telefone: (21) 2232-6381. Casa de massagens com massagem erótica sensual por lindas acompanhantes. Entrada: 20 reais / Suíte 40 minutos: 160 reais. (disponível em: http://www.clubcancun.com.br/)

( ANUNCIADA NA REVISTA DA POLICIA, JUNTO COM NOBRE PROMOTORES DO MPRJ, MP DO ESTADO, NÃO FEDERAL , PROMOTORA DORA BEATRIZ SEMPRE PRESENTE NA REVISTA)


Virtuais :


WWW.hotside.com.br
WWW.karlamodels.net
WWW.ciaplus.com

Todas passadas por petição para o Dr.Leonardo Tumiati, Dr. Envandro dos Reis ( Coimpol) , Dr. Antenor Filho DRCI... E estão nos autos do Processo Civil contra Gilberto Ribeiro, não há como dizer que não sabia , se trata de inequívoca conivência criminosa .

ENVOLVIMENTO DA POLICIA COM A CONTRAVENÇÃO DO JOGO DO BICHO:

1- Reportagem da Rede Record, onde o Bicheiro a Poucos Metros da Chefia de Policia é Claro, “Vai Perguntar Para o Delegado como Pode “
http://www.youtube.com/watch?v=YGMSbodcMrQ


P. Deferimento Liminar,


Brazil, 05 de Abril de 2009

Daniel Ponte


Das Provas:

1-Revista carta Capital:
http://www.cartacapital.com.br/app/materia.jsp?a=2&a2=8&i=3642

2-Reportagem de “O Globo “ Sobre a Prostituição Infantil e Corrupção da Policia :

http://oglobo.globo.com/rio/mat/2009/04/04

Prostituição infantil

Bandidos exploram sexualmente adolescentes em nove bairros das zonas Sul e Norte
Publicada em 04/04/2009 às 18h39m - (Foto extraída do mesmo site)

RIO - Depois das armas, das drogas e dos presídios, traficantes do Rio partiram para a expansão de seus negócios passando a controlar territórios também no asfalto para explorar a prostituição de menores. De acordo com reportagem publicada na edição deste domingo do jornal O GLOBO, pagando propina a grupos de policiais corruptos e associados a uma rede de aliciadores espalhados pela cidade, os bandidos já dominam a prostituição envolvendo adolescentes em nove bairros da cidade, das zonas Sul e Norte. Na relação de pontos de prostituição estão algumas das mais movimentadas avenidas da cidade, como a Atlântica, em Copacabana, cartão-postal do Rio e do país no exterior. ( Assista ao vídeo em que MP pede que população denuncie exploração sexual )
Relatos de menores explorados sexualmente (meninos e meninas) ouvidos pelo GLOBO - alguns deles de 15 anos - revelam que são obrigados a pagar diariamente até R$ 50 aos aliciadores, e cumprir uma jornada que pode representar até seis programas por noite em hotéis espalhados pela cidade, no interior de carros e até mesmo em calçadas de ruas sem iluminação pública. Tudo controlado por traficantes de drogas de uma favela do Rio, que recebem percentual do lucro em troca de segurança armada.
Clique aqui e leia a íntegra da reportagem publicada na edição deste domingo do jornal O GLOBO (Somente para assinantes)


3-Pagina ( ANEXA PDF) da Reportagem do DPF Valdinho Caetano, na época Superintendente da Policia Federal no Rio de Janeiro, Atual Corregedor da Policia Federal, na revista da Policia do Rio de Janeiro, onde sao anunciadas Casas de Prostituição, Crime do art 229 do CP Brasileiro, que ainda Cometem os Crimes Federais de Sonegaçao de impostos e Contribuições Federais, Bem como Fomentam o Trafico Internacional de Mulheres, Pedofilia, Uso e Trafico de Drogas, Corrupção ativa e Passiva ... Esse Delegado que é o CORREGEDOR DA POLICIA FEDERAL (Doc 2)

4-Pagina da Mesma Edição com o Delegado Valdinho Caetano , anunciando “ PARIS CAFÉ BOATE “ COM BRASAO DA 17 DP. “Paris Café” é CONHECIDA CASA CRIMINOSA de PROSTITUICAO DE LUXO, Comete os Crimes Federais de Sonegação de impostos e Contribuições Federais, Bem como Fomentam o Trafico Internacional de Mulheres, Pedofilia, Uso e Trafico de Drogas, Corrupção ativa e Passiva. Segue pagina da internet com comentários sobre essa Criminosa casa . (Doc. 3)

http://www.forumsd.com.br/phpBB/viewtopic.php?t=297


5 - Declaração de Perseguição Política e Risco de Morte Epigrafada Pelo Delegado Alexandre Neto, Fuzilado com 09 Tiros de Fuzil cal 7,62. (Doc. 4)



DOC 1 - Relatório CINPOL - PCERJ

Doc. 2 e 3 - Nota sobre Valdinho Jacinto



Doc. 4 - Declaração do Delegado Alexandre Neto.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

LINKS sobre o CASO DANIEL PONTE

http://riscomulherbrasil.blogspot.com/2008/07/links-sobre-o-caso-daniel-ponte.html
O médico Daniel Ponte ameaçado dentro da Universidade Estácio de Sá

O médico Daniel Ponte está sendo caçado pelos companheiros do agora presidiário Álvaro Lins que querem vingança a qualquer custo. Sem proteção de qualquer natureza, ontem Daniel Ponte foi ontem a Polícia Federal e informou que até na Universidade Estácio de Sá está sendo procurado por homens estranhos a instituição. O fato pior é que o governo federal e leia-se aí presidente Lula e seu ministério tem conhecimento dos fatos e nada fazem.
Médico Daniel Ponte
O médico Daniel Ponte está sendo caçado pelos companheiros do agora presidiário Álvaro Lins que querem vingança a qualquer custo. Sem proteção de qualquer natureza, ontem Daniel Ponte foi ontem a Polícia Federal e informou que até na Universidade Estácio de Sá está sendo procurado por homens estranhos a instituição. O fato foi confirmado por alunos da universidade e pelo coordenador de curso. A vida de Daniel Ponte está por conta exclusivamente de DEUS NO RIO DE JANEIRO. O fato pior é que o governo federal e leia-se aí presidente Lula e seu ministério tem conhecimento dos fatos e nada fazem. A mídia vem publicando toda a história de Daniel Ponte e o governo não assume qualquer responsabilidade. Reconhecido internacionalmente na atuação em defesa dos Direitos Humanos, Daniel Ponte teve a coragem de denunciar a situação do Instituto Médico Legal no Rio de Janeiro e não se calou nem aceitou os favores da máfia carioca. Disse não, denunciou, fotografou, testemunhou. Foi para que? Para perder direito a sua vida? Que país é este onde os defensores de Direitos Humanos são entregues a própria sorte? Daniel Ponte não é policial. É médico legista e não policial como querem estabelecer. Ele denunciou um crime grave. Sérgio Cabral deveria apurar, defender, cuidar. Nada faz. Silencia. E quem cala é porque é conivente. Sérgio Cabral deveria mostrar como está o Instituto Médico Legal agora. Deveria apoiar o médico legista Daniel Ponte. Mas estamos em um governo estranho. Quando elegemos Lula pensamos que teríamos um governo comprometido com os direitos humanos e com a Constituição. E o que temos? A indiferença, a estupidez, a falta de respeito mais absoluta aos defensores, entre os quais me incluo. De que adianta tantos países elogiarem o desempenho de Daniel Ponte? De que adianta certificados internacionais se o governo e o Estado brasileiro não estão sendo nem mesmo coerentes? Se Daniel Ponte morrer a culpa não será tão somente da gang de Álvaro Lins. Será do Estado brasileiro. Aguardamos uma ação concreta da nossa Polícia Federal pois juntamente com o Ministério Público poderá realizar alguma ação urgente e imediata. Do contrário terão apenas mais um corpo de um defensor de direitos humanos para entregar a sociedade.


Fonte: http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2008/08/427171.shtml
Tribuna da Imprensa /Nacional
Médico denuncia banda podre do IML
06 / 09 / 2007
Marcelo Copelli

Ex-vice-diretor do Instituto Médico Legal divulga gravações sobre suposto esquema de corrupção

O médico legista do Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro Daniel Ponte, responsável por graves denúncias de irregularidades supostamente ocorridas no instituto, reforçou suas alegações ao divulgar gravações feitas com funcionários, que foram entregues à Delegacia de Homicídios, no Centro do Rio. As acusações recaem sobre o ex-diretor Roger Ancillotti, e, segundo o perito, ainda permaneceriam ocorrendo sob a gestão atual de Hélio Feldman.
Nos trechos de conversas são reveladas as péssimas condições de trabalho, esquemas de propina e ameaças. "Roger (Ancillotti), companhia e quadrilha, que chefiavam o IML, encomendaram a minha morte", disse Ponte, que teme ser assassinado. "O aviso (...) partiu do inspetor Aristóteles Marques Batista que continua trabalhando normalmente (...) era o chefe de gabinete do Roger. Ele que mandava no IML, era a parte operacional".
Entre as várias denúncias feitas por Daniel está o esquema de propinas para liberação dos cadáveres, envolvendo até mesmo o ex-chefe da Polícia Civil e atual deputado estadual Álvaro Lins. "Os familiares têm que dar dinheiro para os funcionários, agentes funerários, etc. Inclusive, um delegado da Corregedoria (...) me explicou como era feita a divisão: R$ 20 em cada local que o cadáver passava (óbito, papiloscopia, etc), e o resto subia para Chefia de Polícia.", disse Ponte.
O legista disse que "são cerca de 40 cadáveres por dia. Por até duzentos e cinqüenta por cadáver, fora as outras fraudes, deve ser muito dinheiro. (...) Me deram uma lista para assinar, pedindo, entre outros materiais inúteis, oito mesas de necropsia. Como eu comecei a questionar muito, tiraram da minha mão e deram para outro perito assinar. Tem um processo aberto no TCU (Tribunal de Contas da União) apurando as irregularidades", informou. .
Proteção policial
No início desta semana, o perito solicitou proteção policial, uma vez que suas duas testemunhas de defesa no inquérito que corre na Corregedoria da Polícia Civil sofreram atentados. O papiloscopista Alexandre Várzea morreu mês passado em um estranho acidente de moto, e o delegado adjunto da Divisão Anti-Seqüestro, Alexandre Neto, foi baleado com cinco tiros, no domingo, em Copacabana, Zona Sul do Rio.
Várzea morreu após bater com sua moto em um ônibus da Viação Jabour que descia a serra da Grota Funda, Zona Oeste do Rio. Na ocasião, o motorista do veículo, Cláudio Romão Teixeira, disse que "a moto estava em ziguezague. Ele (Alexandre) tentou desviar, mas a moto colidiu com a frente do ônibus e pegou fogo". Segundo as investigações, o auxiliar de necropsia estava sendo perseguido.
Já Neto, além de ser também um dos responsáveis pelas denúncias de irregularidades no IML, investiga as atividades ilegais de um grupo de delegados e do ex-chefe da Polícia Civil, o deputado Álvaro Lins.
Gravações revelam compras suspeitas e submissão
Na gravação divulgada por Daniel Ponte, durante uma conversa, em abril deste ano, com o auxiliar de necrópsia Alexandre Várzea, antes de sua morte, o mesmo alertou o amigo sobre um plano para matá-lo. E, ainda comentou sobre o roubo de material após a saída da equipe de Ancillotti. " Pô, material pra caramba aí sumiu. Gente viu uma leva. (...) material, folha chamex, resmas fechadas, embaladas. O cara vai tocar a chefia de polícia por um ano. Mais de R$ 10 mil.", observou Várzea.
Daniel, por sua vez, comenta com Alexandre que começou a perceber o esquema de corrupção dentro do IML e se confessou abismado com toda a situação. "Eu não sabia. Só via os bolos de dinheiro correrem na minha frente (...) falavam que era de clínica popular (de propriedade particular de outros funcionários) e eu fingia que acreditava", disse.
Em outro trecho, Várzea cita o suposto envolvimento do deputado estadual Álvaro Lins com o esquema de corrupção no IML. "Ali eu fiquei p.. porque os caras tinham tudo para fazer uma boa gestão, não sacanear ninguém. Mas é aquele negócio. Tinha o chefe, que era o Ali Babá e os 40 ladrões, o chefe era o Álvaro Lins, e o cara queria porque queria dinheiro. Ele mandava", comenta.
Ao fim, segundo Ponte, Alexandre Várzea o orientou a tomar cuidado, pois poderia ser morto por estar mexendo com assuntos internos e que envolviam muita gente.
Condições de trabalho
Em uma outra gravação feita pelo legista, enquanto conversava ao telefone com o atual vice-diretor do IML, Hildoberto Carneiro, são discutidas as condições precárias de trabalho do instituto, sem local para higienização e longa carga horária de trabalho.
Ponte, na ocasião, diz ao vice-diretor que não está tendo condições de trabalhar, pois muitos corpos estavam tomados por larvas que se proliferavam, e relatou que um funcionário havia trabalhado o dia inteiro com pneumonia, além dele próprio, ter cumprido mais de 14h de plantão. Para piorar, Ponte afirma que no dia seguinte, pela sujeira do local, acabou amanhecendo com uma bolha na mão cheia de pus. "Aquilo ali está uma coisa inacreditável". Aparentemente o vice-diretor concorda e confirma "é não tem como, não está dando. (...) está muito ruim".
Adiante, Daniel sugere até que os corpos sejam levados para outro andar, com refrigeração, nem que fosse por um elevador externo em caráter emergencial. "A geladeira lá do terceiro andar funciona. Então é só subir com o cadáver".
Hildoberto lembra que não existem nem remédios para matar as moscas varejeiras. Daniel então informa que o inseticida era comprado pelo ele mesmo. "Por plantão eu compro quatro a cinco frascos e não dá conta (...) A gente não tem aonde lavar a mão", comenta.
Segundo Ponte, a interdição "política" da clínica médica em caráter emergencial teria sido uma "saída legal" para que fosse angariada verba para construção de um futuro necrotério, em melhores condições, mas com obras sem licitação.
Em outro trecho, Ponte comenta o "absurdo" da compra de oito mesas de necropsia, quando só existem dois peritos. "As outras seis (mesas) são para quê? Para a gente dormir? ", questiona Daniel. Hildoberto afirma ter sugerido a compra de no máximo três. "Pra que vão precisar de oito?", confirma o exagero.
Ambos, porém, deixam claro durante as gravações que o atual diretor do instituto, Helio Feldman não teria nenhum envolvimento financeiro com as irregularidades.
Valores e ameaça
Em uma última gravação divulgada por Daniel Ponte, feita durante uma conversa com um perito do IML, cuja identidade foi preservada, são esclarecidos os valores cobrados das famílias para liberação dos corpos.
Segundo o perito a família teria que pagar cerca de R$ 200 mais as despesas com a funerária. "Nós vivemos em uma época que ninguém é criança. Veja bem, era impossível que a Inteligência da Polícia Civil não soubesse disso. (...) a inteligência pode ser corrupta, mas burra não é", afirma. Daniel desabafa e diz que ia acabar falando tudo que supostamente sabe. "Eu vou acabar jogando m.. no ventilador. Já ameaçaram que vão me matar mesmo. (...) O Aristóteles vai me matar. "
Em entrevista à TRIBUNA DA IMPRENSA, Daniel afirmou que no início do ano foi ameaçado pelo inspetor Aristóteles Marques em represália pelas suas denúncias. "Vou morrer. Não tenho a mínima esperança de consertar a Polícia Civil.(...) A gente vê termas funcionando na rua, boca de ouro, pirataria. Por que só a polícia não vê ?", questiona. Mas finaliza afirmando que "dentro da Polícia Civil existem pessoas íntegras, e nem todos são bandidos".
Segundo informações da Assessoria de Comunicação Social (Ascom) da Polícia Civil, qualquer pronunciamento só será feito após determinação e conclusão da Corregedoria responsável pelo inquérito. Todas as denúncias feitas por Daniel Ponte e as gravações feitas foram anexadas.
Após tentativa de contato com o deputado Álvaro Lins, até o fim da tarde de ontem, nenhum representante de sua assessoria de imprensa foi encontrado. Já o ex-diretor do IML, Roger Ancellotti já havia divulgado que, por orientação de seus advogados prefere não comentar as acusações. O médico afirmou, entretanto, que Ponte responde a cinco sindicâncias na Corregedoria da Polícia Civil e também será alvo de uma ação cível na Justiça comum. Roger, que também é professor universitário disse que a situação está causando um grande mal-estar e que desconhece as irregularidades citadas por Ponte.
Testemunhas de atentado podem estar sofrendo coação
A dificuldade da polícia em encontrar testemunhas que apontem pistas sobre os autores do atentado ao delegado adjunto da delegacia Anti-Seqüestro, Alexandre Neto, no domingo, numa rua movimentada de Copacabana, Zona Sul do Rio, pode estar ligada à coação. Segundo a polícia, pessoas provavelmente ligadas ao mandante estão indo a lojas e bares da área perguntar quem está dando informações à polícia. Por ordem do titular da Delegacia de Homicídios, Roberto Cardoso, que investiga o caso, policiais distribuíram cartazes pedindo a colaboração dos moradores que tenham presenciado o ataque.
Ontem à tarde, Cardoso solicitou também que sejam arrecadadas fitas de possíveis câmeras de prédios da Avenida Nossa Senhora de Copacabana para tentar identificar o carro usado. Ele suspeita que essa tenha sido a rota de fuga dos criminosos.
Atingido por quatro tiros, Neto deu entrevista ontem no quarto do Hospital Quinta D' or, onde está internado. Apesar de chamar o ex-chefe de Polícia Civil e atual deputado federal Álvaro Lins (PMDB) de "inimigo", a quem já denunciou por suposto envolvimento com o jogo do bicho, ele não quis apontar culpados e não descartou nenhuma das quatro linhas de investigação da polícia.
Neto também não descarta a hipótese de ter sido alvo do sargento PM Márcio da Silva Barbosa, que tem um carro prata - mesma cor do usado no dia do crime. No ano passado, Neto se desentendeu com o sargento depois de ter estacionado seu carro em lugar irregular. "O tempo passou, mas talvez a raiva não", disse.
O PM prestou depoimento e teve seu carro apreendido. Seu Polo prata passou ontem por uma perícia. O delegado quer saber se no carro do policial há projéteis deflagrados, já que os tiros que atingiram Neto foram feitos de dentro de um carro. "Como não havia cápsulas na cena do crime, pode ser que elas tenham ficado dentro do carro do criminoso. Por isso a perícia do carro dele é importante", disse.
Outra perícia foi feita ontem, para procurar cápsulas dentro do estofado do banco do motorista e do banco traseiro do carro onde estava Neto. Esses projéteis podem ser usados para definir o calibre da arma e ser usados em confrontos balísticos com armas arrecadadas durante a investigação. A terceira hipótese investigada seria que Neto foi vítima de um crime armado pelo ex-diretor do Instituto Médico Legal, Roger Ancilotti. Neto era uma das duas testemunhas de defesa do perito Daniel Ponte, que acusa a administração de Ancilotti de corrupção.
A quarta linha de investigação se refere ao envolvimento de outro grupo de policiais militares que eram investigados pelo delegado pelo seqüestro do traficante Francisco Paulo Testas Monteiro, o Tuchinha, em fevereiro deste ano. Neto, que ainda está se recuperando da cirurgia que amputou um dos dedos de sua mão direita, disse, no entanto, que tem certeza de que o autor dos disparos seja um policial, pela forma como foi atingido. "Se eu estivesse investigando meu próprio atentado, não teria nenhum ranking de suspeitos. Investigaria todas a hipóteses", afirmou.

Fonte: http://www.cremerj.com.br/clippings/mostraClipping.php?idClipping=22188

Comissão de Trabalho fará vistoria no prédio do Instituto Médico Legal
15/06/2007

A Comissão de Trabalho da Assembléia Legislativa do Rio irá agendar uma visita ao Instituto Médico Legal (IML) para verificar as denúncias feitas durante audiência pública que reuniu, nesta sexta-feira (15/6), na Sala 316 do Palácio Tiradentes, o secretário de Segurança Pública do Estado, José Mariano Beltrame; o chefe de Polícia Civil, Gilberto Ribeiro; o diretor do IML, Hélio Feldman; o médico Daniel Pontes, perito do IML; além de servidores do instituto e representantes de sindicatos. “Reunimos aqui membros do governo que podem atuar para solucionar os problemas levantados, e que não são poucos”, afirmou o presidente da comissão, deputado Paulo Ramos (PDT), referindo-se às condições precárias de trabalho e à possível fraude na compra de equipamentos apontadas durante o encontro. O parlamentar descartou a necessidade de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as denúncias. “Estamos aqui com as pessoas que podem atuar para solucionar estes problemas. Vou continuar acompanhando e fiscalizando para saber o que está sendo feito a partir de agora”, ressaltou o pedetista. O secretário Beltrame afirmou que o Governo irá apurar todas as denúncias.Médico perito do IML, Daniel Pontes apresentou gravações e fotos que supostamente comprovariam irregularidades na compra de equipamentos médicos e desvios de recursos que estariam ocorrendo na atual gestão. As fotos mostravam médicos trabalhando sem proteção adequada, uma mesa para exame ginecológico com fios elétricos remendados e corpos infestados de larvas e moscas. “A mosca bebe o sangue e depois defeca nos médicos, transmitindo doenças”, alertou Pontes, acrescentando que as autópsias são feitas com apenas um médico, quando deveriam ser feitas com pelo menos dois. “Isso as invalida judicialmente”, explicou o perito, acrescentando que os advogados estariam usando esta informação para desautorizar as autópsias realizadas pelo IML. “A denúncia é grave e demonstra um quadro acentuado de mazelas. É necessário que os deputados ajudem na fiscalização para que não faltem recursos e, principalmente, para que as condições de trabalho sejam mais dignas”, ressaltou Ramos.As denúncias foram contestadas pelo diretor do IML, Hélio Feldman. “A situação do instituto hoje é outra. As fotos exibidas não correspondem à atual realidade da instituição. Este quadro não está assim desde janeiro de 2007”, afirmou o diretor. “Não posso fazer pré-julgamento. Sou secretário, não sou juiz de direito”, ressaltou Beltrame, que fez questão de ressaltar que o dinheiro para a construção de um novo IML, na Rua Francisco Bicalho, no Centro, foi liberado no final de março. “A construção atende a um pleito antigo da Polícia Civil e dos órgãos técnicos, com o objetivo de substituir um prédio de 1949, localizado na Avenida Mem de Sá, e que, hoje, não atende mais a demanda. Vamos transformar o IML em um instituto de ponta, dando transparência à gestão”, explicou.


Fonte: http://www.alerj.rj.gov.br/common/noticia_corpo2.asp?num=20892
Atentado a delegado: um crime com muitos suspeitos
Publicada em 03/09/2007 às 22h04m
RJ TV

RIO - A Polícia Federal entrou na investigação do atentado contra o delegado Alexandre Neto . Os agentes suspeitam de coação à testemunha, uma vez que no processo da máfia dos caça-níqueis, Alexandre Neto prestou depoimento acusando o ex-chefe de Polícia Civil, delegado Álvaro Lins. O secretário estadual de segurança, José Mariano Beltrame, afirmou que a polícia não vai se intimidar com o atentado . Nesta segunda-feira, foi feita uma perícia no carro onde o delegado estava. Os agentes querem saber a arma usada pelos criminosos. De acordo com as primeiras informações, seria uma pistola normalmente utilizada por policiais. A Polícia Civil tem quatro hipóteses para o crime.
Delegado tem muitos inimigos
Em fevereiro de 2006, Alexandre Neto teria estacionado o carro irregularmente e acabou detido por desacato. A Polícia Militar gravou imagens da prisão. Na delegacia, os policiais militares também foram autuados por abuso de autoridade. Alexandre Neto investigou os policiais, que podem ser expulsos da corporação por envolvimento no jogo do bicho. Eles negam as acusações.
Em 2007, Alexandre Neto prestou um depoimento para a Operação Furacão, da Polícia Federal, que investiga a máfia dos caça-níqueis. Alexandre denunciou o envolvimento de policiais civis e do então chefe de polícia, e hoje deputado estadual pelo PMDB, Álvaro Lins, com a contravenção.
Lins seria responsável por um esquema de proteção ao bando comandado pelo contraventor Rogério Andrade, com a participação dos inspetores Hélio Machado, o Helinho, Jorge Luiz Fernandes, o Jorginho, e Fábio Leão, o Fabinho.
Fontes da polícia informaram que haveria uma escuta recente em que inspetores do grupo dos "inhos" planejavam se vingar de Alexandre Neto. Em abril, o jornal "O Globo" publicou que o delegado também era citado numa escuta da Polícia Federal em que a inspetora licenciada da Polícia Civil Marina Maggessi, que hoje é deputada federal, conversa com o inspetor Hélio Machado da Conceição, o Helinho, do grupo dos "inhos", e sugere que ele dê "um monte de tiros nos cornos" do delegado.
Na semana passada, Alexandre Neto encaminhou um ofício para a Secretaria de Segurança Pública denunciando que o ex-diretor do Instituto Médico Legal, Roger Ancillotti, estaria trabalhando irregularmente na Delegacia de Saúde Pública. Ancillotti continua trabalhando na delegacia.
Ele já havia denunciado Ancillotti em inquérito na Corregedoria da Polícia Civil. A investigação apura supostas irregularidades praticadas no IML no período em que o médico legista esteve à frente do órgão. As acusações fazem parte de um dossiê elaborado por um ex-vice-diretor do IML. Autor do documento, o perito legista Daniel Ponte foi ameaçado de morte por dois policiais ligados ao antigo diretor. A intimidação, feita por telefone, foi confirmada em depoimento por Neto e pelo auxiliar de necropsia Alexandre Várzea, que morreu após bater de moto num carro, dia 25. Investigações indicam que o policial estava sendo perseguido ao sofrer o suposto acidente.
Além disso, Alexandre Neto investiga se policiais militares teriam envolvimento em um possível seqüestro do traficante Francisco Testas Monteiro, o Tuchinha, da Favela da Mangueira. O crime teria acontecido no início de 2007.
- Serão investigadas todas as pessoas que foram prejudicadas de alguma forma pelos expedientes, relatórios e notícias do delegado Alexandre Neto - afirmou o delegado Roberto Cardoso, da Delgacia de Homicídios.
O Disque-Denúncia oferece R$ 2 mil de recompensa para quem der informações que levem a captura dos autores do crime.

Fonte: http://oglobo.globo.com/rio/mat/2007/09/03/297571605.asp

terça-feira, 31 de março de 2009

Publicado em: Ucho. Info - nº 1793

Legista pede proteção (27.01.09 - 1h33)

Torturado psicologicamente pela Polícia Civil do Rio de Janeiro por ter denunciado policiais corruptos, Daniel vive escondido por conta das inúmeras ameaças de morte que sofreu nos últimos meses. Em documento enviado à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (CIDH-OEA) na última sexta-feira (23), Daniel Ponte relata em detalhes o seu caso e faz alguns pedidos, entre eles o suporte financeiro do Estado brasileiro para que, juntamente com sua mãe, possa deixar o Brasil imediatamente, antes que uma tragédia aconteça. Conhecedor da podridão que impera nas coxias do poder, o médico requer que a OEA garanta a vida do delegado federal Protógenes Queiroz e do editor deste site, jornalista Ucho Haddad, e de sua família.

Daniel Ponte em perigo (27.01.09 - 1h28)

Enquanto o Palácio do Planalto luta diuturnamente para garantir a permanência do terrorista Cesare Battisti em terras brasileiras, a Justiça nacional fecha os olhos para casos graves. Médico-legista que até meses atrás emprestava seus conhecimentos e retidão moral ao Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro, Daniel Ponte agora é um foragido, apenas porque, de posse de provas documentais, fotos e gravações, denunciou às autoridades competentes tudo o que encontrou de errado no órgão que, em tese, deveria ser público. Mas não, no IML-RJ impera um acordo espúrio e criminoso com as funerárias. E foi no rastro de suas necessárias denúncias que Ponte encontrou a sordidez que domina os bastidores da polícia, instituição que sempre defendeu com galhardia.

http://www.ucho.info/1793.htm